Palavra do editor

Seja bem vindo(a) ao blog Montanhismo Gaúcho!

Aqui você encontrará, em ordem cronológica, as principais realizações dos montanhistas gaúchos dentro e fora do Rio Grande do Sul. Histórias sobre ascensões pioneiras, expedições, ...

Você também pode colaborar! Mande a sua história, imagem, recorte de jornal, ...

Boa viagem!

Orlei Jr.

sábado, 31 de janeiro de 2009

Primeira gaúcha no topo da América!


Derreter gelo para ter água para beber, comer alimentos desidratados, suportar o frio e o cansaço são algumas das experiências vivenciadas por ela e os quatro companheiros de viagem. Dos cinco do grupo, apenas Tina e o marido dela, Enrico Favilla, alcançaram o cume do Aconcágua!

A publicitária caxiense Cristina Nabinger, radicada em Brasília, conseguiu alcançar o pico da mais alta montanha das Américas e a maior fora da Ásia. Como ela, muitos se arriscam nessa aventura em território argentino, mas poucos chegam lá. Para vencer a montanha, foram 10 dias de caminhadas, enfrentando temperaturas de 20 a 30 graus Célsius abaixo de zero, ventos fortes e muita neve. Cristina chegou ao cume dos 6.959 metros do Aconcágua pela face Norte, às 14h30min do dia 29 de dezembro de 2008.

– Caminhar até aquelas pedras não foi fácil, não. Cheguei ao topo exausta, me arrastando. Não foi o momento mais bonito e emocionante da expedição, mas, com certeza, o mais marcante – avalia Cristina, a Tina, 37 anos.

A caxiense conta o que fez ao chegar no alto do Aconcágua:

– Me sentei em uma pedra e tomei um chá que havia preparado sete horas antes, na barraca. Tirei algumas fotos, que não ficaram boas, troquei cumprimentos com os demais que estavam no cume e assinei o livro de registro. Decidi voltar logo. A neblina cobria quase todo o visual e a neve começou a cair – recorda. A emoção de ter superado seus limites e cumprido até o fim a aventura só veio depois, na descida, afirma Tina.

– Sozinha, na tarde cinzenta, ao visualizar a grande trilha do Grand Acarreo colorida de branco pela neve, me veio um calorão e lágrimas. Deu vontade de rir, correr, pular e gritar – ressalta. Tina participou da expedição acompanhada do marido, Enrico Magalhães Favilla, 38, dos cunhados Luciano, 36, e Bruno Magalhães Favilla, 36, e do amigo Paulo Márcio Araújo, 36. Entretanto, apenas ela e o marido chegaram ao cume. Enrico alcançou o pico duas horas antes que Tina, às 12h30min. Os demais desistiram por cansaço e mal-estar. Embora a face Norte do Aconcágua seja a mais simples de ser percorrida, por não exigir técnicas especiais nem equipamentos de escalada, é o lado onde o vento costuma ser mais intenso e o ar rarefeito provoca náuseas, fadiga e dores de cabeça.

– Os sintomas não podem ser camuflados com medicamentos. É preciso respeitar e assumir o estado fisiológico e, se for o caso, voltar mais cedo para casa. Cada organismo reage de uma maneira à altitude, independente do nível de preparo físico alcançado com os treinamentos – diz Tina, que voltou ao Brasil em 6 de janeiro.

Durante as caminhadas, desde o Parque Provincial do Aconcágua, localizado na rodovia que liga a Argentina ao Chile, até o primeiro acampamento, a 4,3 mil metros de altitude, Tina afirma que em diversos momentos se lembrou dos passeios que realizou na infância, em Caxias do Sul, com grupos de escoteiros e bandeirantes.

– Foi o despertar do meu espírito aventureiro – afirma ela.

Com este feito Tina se torna a primeira gaúcha a pisar no topo do Aconcágua! Parabéns!

Mais informações no blog da expedição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário